7 Truques para viajar de carro com as crianças

Convidamos uma verdadeira especialista em viagens de carro com crianças para dar suas melhores dicas.

Texto escrito por: Adriana Lorete

 

 

A minha família é o melhor exemplo que é possível sim, viajar com duas crianças por milhares de quilômetros de carro. Entre várias experiências, a mais longa foi ir do Rio de Janeiro até Miami: 19.220km. É bem verdade que antes dessa aventura fizemos diversas viagens, fomos ao Ushuaia, Peru e Bolívia e rodamos boa parte do Brasil. Desde bem pequenos eles foram apresentados a essa modalidade de férias. Começamos com distâncias mais curtas e ao passar dos anos fomos aumentando os quilômetros rodados.

 

O que parece loucura para uns, nós chamamos de liberdade! Paramos onde gostamos, podemos conhecer lugares que se fossemos de avião não passaríamos e somos donos do nosso tempo. Se você é como a gente e pretende fazer longas viagens de carro, aqui vão algumas dicas acumuladas ao longo desses 14 anos de estrada:

1. Crianças no Poder

As crianças sempre participaram da escolha dos destinos. Através de um mapa rodoviário, eles visualizavam as distâncias que seriam percorridas. Cada dobrada ou desdobrada do mapa significava que estavam mais perto do destino. Através das imagens pesquisadas na web, eles tinham certeza do que iriam encontrar e que valia a pena estar ali e esperar por isso.

2. Conforto e Brinquedos

O carro tem que ser confortável e passar despercebido. Na verdade durante o trajeto ele se transforma na casa. É importante ter bebidas geladas, lanchinhos, cortinas para diminuir o sol, o travesseiro, a boneca inseparável, o paninho de dormir e tudo mais que for importante para a estabilidade da criança. Na viagem para os Estados Unidos, na falta de uma árvore de Natal, o nosso carro tinha alguns enfeites natalinos pendurados.

 

carro-com-crianças2.jpg

 

3. Bons Passatempos

Para afastar o tédio do relógio, as crianças assistiam até três filmes por dia em um dvd portátil. Tínhamos uma coletânea de mais de 100 títulos. Nos intervalos jogávamos Mico Preto, Uno e Trunfo, brincávamos de “Adedanha” e inventamos vários jogos, como adivinhar a marca e a cor do próximo carro em estradas de pouco movimento. “Quem acha animais no caminho” ou “que forma aquela nuvem tem?”.

 

Para evitar o “tá chegando?”, adotávamos o pôr do sol como hora de chegada ao destino. A música ambiente tem que ser democrática e agradar a todos. Durante a viagem para o Ushuaia, passamos vários dias por estradas vazias e entediantes. Com isso, elegemos a música Até o Fim do Engenheiros do Hawaii ( Não vim até aqui, para desistir agora, entendo você, se quiser ir embora...) como o nosso lema e nos momentos de desânimos ouvíamos e cantávamos juntos.

 

Ao chegar ao Ushuaia, encontramos a placa “Bem vindo ao fim do Mundo!”  colocamos o som bem alto e dançamos a nossa música  em volta do carro, foi maravilhoso!

 

carro-com-crianças4.jpg

 

4. Paradas Estratégicas

Costumávamos parar para abastecer em postos que tinham algo a mais a oferecer. Poderia ser desde um parquinho aparentemente sem graça ou uma loja de conveniência. O importante era deixar as crianças gastarem um pouco da energia acumulada. Vale a pena perder uns minutos.

5. Nada de Enjoo

O meu filho enjoava muito na estrada, para esses momentos, que eram frequentes, tínhamos sacos descartáveis, lenços umedecidos e roupas limpas. Quando a estrada era muito sinuosa dávamos remédio para enjoo, mas tudo era tratado com muita naturalidade.

 

carro-com-crianças.jpg

 

6. Hospedagem

Nas cidades que fazíamos a pernoite, após longos percursos, dávamos preferencia a acomodações que tivessem uma piscina ou parquinho, é fundamental recarregar as baterias para o dia seguinte.

7. Histórias para Contar

Para mim o mais importante nessas viagens é estar bem pertinho das pessoas que mais amo no mundo. Nesse pequeno espaço aprendemos a conviver e respeitar as nossas diferenças e fortalecemos os nossos laços, vale a pena experimentar! Boa viagem!

 

carro-com-crianças3.jpg