10 cidades com mercadões incríveis

Mercado Municipal de Manaus

Inspirado no Les Halles de Paris, o Mercado Adolpho Lisboa, localizado em frente ao Rio Negro, é uma referência arquitetônica e histórica da cidade. Sua estrutura de ferro em estilo art nouveau, de 1882, apresenta um lindo pórtico com vitrais e é herança do período áureo do Ciclo da Borracha. Pavilhão central de alvenaria somado, o conjunto tombado pelo Iphan e restaurado pelo Projeto Monumenta abriga apenas 64 boxes, mas todos muito típicos, com ervas, temperos, artesanato indígena e, claro, os peixes amazônicos tão caros à culinária regional. Entre as delícias que podem ir para o prato, a costela de tambaqui fica ótima na brasa. Aproveite para se aventurar em uma receita de tacacá, feito com tucupi, farinha de mandioca, folhas de jambu e camarões secos, itens à venda no mercado. 

 

Dispomos de 35 imóveis para você se hospedar em Manaus.

 

 

Mercado Ver-o-Peso de Belém

Às margens da Baía do Guajará, o mercado estabelecido em 1688 é um símbolo da capital paraense. Barracas de águas de cheiro, essências e banhos "milagrosos" dão o toque pitoresco, mas é a riqueza dos sabores regionais que diferencia o entreposto. Ingredientes como farinha-d'água, tucupi (caldo amarelo da raiz de mandioca-brava), jambu (erva que causa dormência na língua), taperebá, cupuaçu, cajá e bacuri (frutas para fazer sucos maravilhosos) escancaram a culinária da Amazônia, uma das responsáveis pelo cartaz que a gastronomia brasileira conquistou no passado recente. Integram o complexo o Mercado de Peixe, de inconfundível estrutura de ferro, o Mercado de Carnes, remodelado em 1908, a Praça do Relógio e a Feira do Açaí, fruta que, em Belém, costuma ser engrossada com farinha de mandioca, sem um grão de açúcar, para acompanhar peixes, camarão seco e carnes. No mercado também é possível provar peixe frito, maniçoba (a feijoada paraense, feita com folhas de mandioca e carne de porco) e pratos com tucupi. Entre os peixes de rio para preparar em casa, o pirarucu pode ser comprado em mantas salgadas, bem mais fácil de carregar.

 

Dispomos de 4 imóveis para você se hospedar em Belém.

 

 

Mercado de São José, no Recife

De 1875, sua arquitetura de ferro típica da época compreende dois pavilhões que vendem quase 2 toneladas de pescados por semana, mas também carne de sol, castanha de caju, rendas e artesanato de barro, couro, corda e palha. Se ganha em compras, o Mercado de São José perde em agito para o Mercado da Madalena, no bairro homônimo. Não que você não possa sair de lá com um bolo de rolo (o do Box 39 é artesanal), uma manteiga de garrafa ou uma farinha, mas a galera vai mesmo lá para emendar a noitada com um potente café da manhã nordestino. Nesse quesito, fazem sucesso pratos como a galinha cabidela, a carne de sol e a fava com charque (sim, no café da manhã) dos bares do Jairo, do Artur e da irreverente Confraria dos Chifrudos.

 

Dispomos de 250 imóveis para você se hospedar em Recife.

 

 

Mercado Municipal de Aracaju

São três mercados em um, todos integrados. O Thales Ferraz é o entreposto da culinária sergipana, com castanhas, manteiga de garrafa, rapaduras, balas de jenipapo, farinhas e outros produtos típicos. No Albano Franco, você encontra todos os hortifrutigranjeiros, com destaque para as frutas nordestinas. E no Antônio Franco, drible os suvenires para garimpar o artesanato de renda e exemplares da literatura de cordel. Reserve o almoço para o terraço deste mercado, onde fica o restaurante Caçarola e suas saborosas receitas de nomes libidinosos como o Camarão na Cueca (com leite de coco) e a Veia Fogosa (sorvete de tapioca com calda de doce de caju).

 

Dispomos de 109 imóveis para você se hospedar em Aracaju.

 

 

Mercado Modelo de Salvador

Construído em 1912 e quase todo reconstruído em 1984, o mercado da Baía de Todos os Santos, aos pés do Elevador Lacerda, tem perfil "pega-turista" e uma oferta grande de roupas e artesanato. Na área externa, os tabuleiros das baianas não deixam na mão quem chega ávido por acarajés, abarás e cocadas. Se o mercado não resolver a sua lista de compras, rume para a Feira de São Joaquim, um banho de descarrego baiano no bairro do Comércio. Abastecidas de aves e bodes vivos a artigos de candomblé, passando por ingredientes como coentro, camarão seco, farinhas e frutas regionais, as barracas são uma extensão da experiência antropológica, que fica mais completa se você experimentar a passarinhada (baço de boi frito) ou o prato feito com buchada, típicos da feira. Uma alternativa menos roots, o Mercado do Rio Vermelho (ou Ceasinha), no bairro homônimo, é muito popular entre os soteropolitanos.

 

Dispomos de 561 imóveis para você se hospedar em Salvador.

 

 

Mercado Central de Belo Horizonte

Na terra do pão do queijo e da cachaça, do doce de leite e das compotas, o mercado de 1929 virou ponto de encontro nos fins de semana muito por causa de seus 14 botecos, como o Casa Cheia, que serve apreciadas receitas locais - o mexidoido chapado leva carnes na chapa, arroz e legumes. Atração obrigatória também para os viajantes, o edifício reúne 450 barracas, das quais 10% são de queijos - desnecessário dizer, os do tipo minas e canastra são encontrados com uma variedade que você nunca viu, como na Queijaria du Salim. Para lambuzar o queijo, também não faltam boxes de doce de leite, goiabada, mel e compotas. Outro artigo mineiro em abundância é a cachaça, representada por todos os rótulos famosos de Salinas (Anísio Santiago, Canarinha, Piragibana) e do resto do estado. Há ainda frutarias (Barra do Patureba, Tião do Abacaxi), açougues, lojas de condimentos (Só Pimentas), bancas de flores e comércio de panelas de ferro e de pedra-sabão.

 

Dispomos de 79 imóveis para você se hospedar em Belo Horizonte.

 

 

Mercado Municipal de São Paulo

Pertinho do formigueiro de compras da Rua 25 Março, o edifício de 1933 já valeria a visita pelos belos vitrais do russo Conrado Sogenicht, com cenas da agropecuária e da lida do campo. Mas o Mercadão, como é carinhosamente chamado, tem mais, muito mais. Aqui surgiram dois clássicos da "baixa" gastronomia paulistana, o farto sanduíche de mortadela do Bar do Mané e o pastel de bacalhau do Hocca Bar, paradas consagradas do Centro paulistano. Nos boxes, a variedade de importados (azeites, lombos de bacalhau, presuntos espanhóis, defumados, queijos, vinhos, frutas glaceadas, grãos, chás, especiarias) confere feições de empório gourmet ao comércio, como na Banca do Ramón, no Empório Chiappetta e na Queijos Roni, especializada em laticínios e instalada no Mercado desde a sua inauguração. Além dos açougues e peixarias, prepare-se para ver e provar frutas exóticas, entre elas a pitaia colombiana, a ameixa gema de ouro e o melão pele de sapo.

 

Dispomos de 354 imóveis para você se hospedar em São Paulo.

 

 

Mercado Municipal de Curitiba

Bem organizado como a capital paranaense, o mercado tem entre seus trunfos um espaço de orgânicos e boxes de produtos asiáticos, sustentados por uma colônia japonesa que beira 40 mil descendentes na cidade. Mesmo sem o porte do Mercadão paulistano, o curitibano entrega o esperado, entre carnes, frutas, grãos, bebidas importadas, chás, produtos gourmet e um ou outro produto regional, a exemplo da farinha de Morretes. Inaugurado em 1958, seus 300 estabelecimentos englobam de relojoaria a pet shop, com uma oferta de serviços (sapataria, loteria, barbearia, praça de alimentação) digna de shopping center.

 

Dispomos de 41 imóveis para você se hospedar em Curitiba.

 

 

Mercado Público de Florianópolis

Referência histórica do Centro de Floripa, o prédio que começou a ser construído em 1899 tem duas alas, uma delas com calçados e roupas. Foque na outra, especialmente interessante para comprar pescados frescos, como na Peixaria do Chico, onde você encontra desde camarões sete-barbas ao rosa GG, além de dourados, linguados, lulas, polvos e congêneres frescos. Antes ou depois da "pescaria", o programa clássico é tomar um chope gelado no icônico Box 32, de preferência acompanhado de um bolinho de bacalhau e um pastel de camarão. 

 

Dispomos de 1326 imóveis para você se hospedar em Florianópolis.

 

 

Mercado Público de Porto Alegre

No coração do Centro, o tradicional endereço virou ponto turístico na Copa do Mundo. Açougues, peixarias, frutarias, bancas de verduras, bomboniere e lojas gourmet dividem as atenções com os produtos regionais, entre os quais a carne de charque (conservada no sal para ser transportada pelos antigos tropeiros nos pampas) e uma enorme variedade de erva-mate para chimarrão. Para sair de sacola feliz e dar um up na despensa, não perca o Empório 38, especializado em defumados, embutidos, azeites, vinhos e cervejas especiais (são 700 rótulos!), e a Banca do Holandês, com fiambres nobres, conservas e castanhas dentre mais de 800 itens, muitos deles importados, a exemplo do holandesíssimo queijo maasdam. No almoço, o restaurante Gambrinus e o japa Sushi Seninha têm boa reputação.

 

Dispomos de 48 imóveis para você se hospedar em Porto Alegre.