De olho no mercado

Imóveis, renda fixa e ações. Em qual investir?

Se você tem um dinheiro guardado na poupança ou conseguiu aumentar sua renda com uma atividade paralela, e está sobrando uma boa quantia que você gostaria de investir, é essencial que pesquise bastante antes de decidir onde vai alocar seu capital.


imoveis,renda fixa e ações.jpg (House for rent)

Pensando nisso, reunimos seis erros que proprietários que anunciam no site não podem cometer. Veja as dicas abaixo:

 

O mercado hoje em dia oferece uma grande variedade de investimentos possíveis, alguns mais arriscados, com rendimentos maiores, outros menos. Que tal saber mais acerca de três das opções mais frequentes de investimento e descobrir em qual valeria mais a pena investir? Leia sobre os investimentos em imóveis, renda fixa e ações, e tire suas próprias conclusões.
 

Investindo em fundos de renda fixa

Os fundos de renda fixa constituem espécies de títulos de crédito que pagam remunerações que podem ser determinadas no momento da aplicação ou no instante do resgate do dinheiro aplicado. Quando o retorno do capital investido é dimensionado já na aplicação, diz-se que o fundo de renda fixa é pré-fixado: o investidor já sabe quanto vai receber dentro do período até o resgate. Nos títulos pós-fixados, é viável estimar aproximadamente quanto vai ser acolhido, mas nunca com certeza, visto que os proveitos serão determinados pela variação de um índice, além da taxa de juros padrão para o período.

 

É importante analisar com cuidado qual é o índice (como a taxa SELIC ou o IPCA, por exemplo) e o tipo de título. Há várias escolhas interessantes, como os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). Esta modalidade de investimento é mais conservadora, o que diminui os riscos de retorno, porém mal cobre a inflação. Outros pontos negativos são que incidem tributos em alguns casos (Imposto de Renda e IOF) e que você deve obedecer os prazos de resgate contratuais.

 

Investindo em ações

A Bolsa de Valores pode ser tentadora, por conta do alto rendimento em um curto espaço de tempo. O grande problema é que, ao apostar nessa modalidade sem conhecimento e sem ter o suporte de agentes financeiros, o investidor pode entrar em uma grande furada.

 

As ações podem gerar amplo retorno, mas justamente por isso são extremamente arriscadas, podendo também provocar grandes prejuízos com a queda brusca de seus valores. É preciso não só entender o jogo da Bolsa de Valores, como ainda ser paciente e não se desesperar nas épocas de baixa. Para as ações, há custos de corretagem, taxas de administração e incidência do Imposto de Renda nas vendas mensais superiores a R$ 20 mil.

 

Investindo em imóveis

Tornar-se investidor imobiliário pode ser revelado em atividades distintas: podem-se comprar imóveis para reforma e posterior revenda ou gozar da cobrança de aluguéis de apartamentos, casas e salas comerciais, por exemplo. Outra dica maravilhosa é ter um imóvel para alugar por temporada e garantir renda extra para você e sua família.

 

O Imposto de Renda incide sobre o montante que é auferido com este tipo de investimento. No entanto, um imóvel é uma opção de investimento que agrada a gregos e troianos: seguro para os conservadores e traz ganhos altamente rentáveis para quem espera ter retorno rápido e em grande quantidade. E o melhor de tudo: ao adquirir um imóvel para alugar, há aumento do patrimônio, obtendo-se um bem que não se desvaloriza. Na ponta do lápis, ter um imóvel ainda é uma excelente opção de investimento.

 

E você, está querendo investir algum dinheiro? Já pensou a repeito dessas opções? Como são as suas experiências com esses tipos de aplicações? Compartilhe com a gente a sua opinião sobre o assunto!


VEJA TAMBÉM